segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Crítica: Universidade Monstros (Monsters University) - 2013


Como o primeiro post do "novo" blog, teremos a crítica da animação da Pixar, Universidade Monstros, e é uma prequela para o filme Monstros S.A, de 2001.

Retornando com a voz de Billy Cristal, a trama acompanha o personagem Mike, que mesmo sendo considerado não assustador, entra na Universidade Monstros para realizar o seu sonho de ser um "assustador" na Monstros S.A (Monsters Inc.). A trama acompanha então a relação de Mike com seus colegas de universidade, enquanto tenta, na teoria, se tornar o mais assustador.

A cena inicial do filme já tem toda a cara da Pixar, revelando um jovem Mike em uma visita escolar na Monstros S.A, onde ele vê um monstro assustando uma criança. Esse monstro, então, lhe dá um boné, e lhe estimula a entrar na Universidade Monstros. Tendo admirado o trabalho do monstro, ele toma entrar na Universidade como seu sonho. Daí então vem uma parte muito interessante, que é os "créditos" de abertura, que conta ao espectador de forma rápida e simples a passagem de tempo. A partir daí, já vemos então Mike na universidade, que só pelas cenas iniciais, demonstra cores espetaculares, criaturas divertidas e, o velho clichê da universidade americana: jogadores de futebol, clubes e grupos escolares, entre outras coisas. Então começamos a ver o preconceito inicial que Mike tem por não parecer um monstro assustador e, encontrando velhos conhecidos do público (Sullivan e Randall), além de novos personagens.

O filme se passa todo na universidade, repetindo as cenas com cores belas, e adoráveis e lindos efeitos especiais conhecidos de animações Pixar. O filme, como já esperado, é realmente um clichê de filmes da Pixar, onde os personagens passam por um desafio, tentam contornar esse desafio, começam a contornar o desafio acidentalmente, vão melhorando como pessoas (no caso, monstros), até que acontece um desentendimento interno, e os personagens meio que desistem, apenas para verem uma coisa ou situação inspiradora e, redobrarem os ânimos, até que eles conseguem vencer. Como sempre. Só que não. O interessante do filme é que apesar de acontecer coisas que esperamos, o modo que chega a elas é bem divertido, apesar de previsível. O filme apresenta cenas divertidíssimas, e engraçadas (como por exemplo os Hippies tocando violão ou até a partida de futebol americano apresentada).

No decorrer do filme, percebemos situações, coisas, e experiências parecidas com o do primeiro filme, como por exemplo, uma versão primária do chamado Simulador de Sustos, ou até mesmo no final, a presença de personagens como o Pé Grande e Roz.

Apesar de acontecer algumas coisas bastante forçadas para o final feliz, principalmente no final (apesar que podemos levar em conta se pararmos pra analisar um pouco), o filme nos diverte com provas que são realmente criativas, e que durante elas, vemos a construção de um personagem, que vem a ser o antagonista de Monstros S.A. Na etapa final da prova, temos uma lição de preservação de individualidade, de modo que entendamos que cada um tem uma habilidade especial. E, se pararmos pra analisar, as habilidades especiais que os personagens "não-assustadores" demonstram fazem bastante sentido.

A construção de personagens pode ser considerado algo negativo no filme, já que apenas os dois personagens principais são devidamente construídos, nos demonstrando apenas um pouco da personalidade do restante, sendo que esse pouco é principalmente construído no final, quando esses demonstram suas habilidades.

O filme tem cenas realmente divertidas, que te arrancam pelo menos um sorriso, como por exemplo, o momento em que a Sra. Squibbles, que nos apresenta um tom calmo e sereno de mãe, mas que solta um Rock pesado quando é deixada sozinha no carro (eu realmente ri nessa cena), ou então quando expulsos do grupo dos assustadores, Mike e Sullivan vão parar num grupo de desenvolvimento de cilindros.

Outro aspecto sempre presente nos filmes da Pixar, são os "easters eggs": a bola da Pixar, o caminhão do Pizza Planet, o "número da Pixar", e relances do próximo filme da Pixar (The Good Dinosaur). Infelizmente, só consegui perceber um easter egg, que foi meio que jogado na cara, que foi a bola da Pixar.

A motivação de Mike para entrar na Universidade Monstros é realmente muito boa, apesar de ter uma pequena contradição. O boné que Mike recebe tem as iniciais de Universidade Monstros, estimulando ele a entrar na universidade, só isso. Ao decorrer do filme, Mike parece ver o boné como um motivo para entrar no grupo dos assustadores, apesar de não ser exatamente isso a intenção que o boné demonstra.

O final do filme nos deixa aquela lição de moral de individualidade, trabalho em equipe e, humildade que os filmes da Pixar sempre deixa, além de fazer uma ligação para o futuro, que seria o que acontece em Monstros S.A

Nota: 9.0

Tabela de Informações
Data de estreia: 21 de Junho de 2013 (Brasil)
Duração: 104 min
Direção: Dan Scanlon
Produção:  Pete Docter, Nicole Paradis Grindle, John Lasseter, Kori Rae, Andrew Stanton, Lee Unkrich
Roteiro: Dan Scanlon, Daniel Gerson, Robert L. Baird
Distribuição: Walt Disney Pictures, Pixar Animation Studios

 

1 comentários:

  1. Não chega aos pés do primeiro, sendo um filme engraçado tipo sessão pipoca mas dele é muito bom e vale os risos http://www.hbomax.tv/movies

    ResponderExcluir