quarta-feira, 28 de maio de 2014

IT'S A TRAP - Arte Gótica (Introdução)

A chamada Arte Gótica aconteceu simultaneamente com a românica e bizantina, mas com algumas características que se diferenciaram. Ela foi marcada pela ascensão do comércio, que fez assim um movimento de rural para urbano, criando assim a burguesia. Na arte, eles procuravam representar o mundo real e, quando faziam a renovação das formas para  representar uma harmonia divina, eles usavam características humanas. Eles tinham como objetivo mostrar a volta do refinamento na população europeia, e tinha como principais características:

  • Uma grande verticalidade;
  • Maior elegância;
  • Maior feminilidade
O homem na época, era mais elegante por influências diretas da senhora feudal.
Uma das características presente na arte era o amor gótico, que é conhecido como um amor platônico.
Na pintura são conhecidos por mostrarem pessoas com muitas roupas. Também possuíam artistas em grande quantidade que trabalhavam em iluminuras. Na escultura, havia o naturalismo e valorização humana. Na arquitetura, ficaram famosos pelo uso de menos paredes, e por criarem "macetes" para deixar o ambiente mais iluminado.

OBS: Nas palavras do professor: gótico não é aquele pessoal que se veste de preto, anda em cemitério e ouve rock. Isso é outra coisa.



terça-feira, 27 de maio de 2014

IT'S A TRAP - Arte Medieval (Românica e Bizantina)

A Arte Medieval começa, obviamente com a Idade Media e, vai até o Renascimento. Ela é marcada por uma mudança radical nas artes: o fim do naturalismo, da harmonia e equilíbrio humano, causado principalmente pela mudança do tema das artes. Foi nessa época que o cristianismo triunfou sobre o paganismo, se espalhando de forma grandiosa, atingindo todas as áreas. Foi na época que a igreja começou a ter o poder absoluto, na maioria das vezes mandando em artistas, que não tinham livre arbítrio. O problema é que a igreja muitas vezes era corrupta, já que muitos procuravam empregos clericais só por causa do dinheiro. Foi também nessa época que aconteceram várias peregrinações, que tinham o intuito de expandir a fé, a filosofia e a ideologia cristã para outros lugares, por meio da arte.

Bizantino

Os bizantinos são os romanos que fugiram para bizâncio por estarem sofrendo diversas invasões islâmicas. Eles continuaram a usar a linguagem grega e, vários outros traços da cultura greco-romana. Suas artes se relacionavam a Europa feudal e, tinha por objetivo demonstrar as autoridades absolutas de seus líderes, que eram "enviados de Deus na terra".

Românico

O período românico foi marcado pelo desaparecimento da cultura clássica romana, já que agora a Igreja tinha espalhado a autoridade: artistas não tinham autonomia e a educação agora era eclesiástica.

Pintura Românica

Usavam em grandes quantidades a técnica do afresco, eram muralistas e faziam iluminuras, isso é, ilustrações de livros sagrados. Não existia a preocupação com tonalidade, harmonia, equilíbrio por eles estarem representando um mundo espiritual. A pintura era mais focada em histórias bíblicas, assim como o mundo espiritual e a alma.

Pintura Bizantina

Popularizaram a arte do mosaico, e assim como a românica, eram muralistas. Os temas eram sempre os temas bíblicos e, muitas vezes os seus líderes e pessoas importantes eram representados com auréolas em cima da cabeça, para demonstrar sua importância no mundo espiritual. Eles realizavam a pintura policromada, e assim como a românica, perderam a preocupação com naturalismo. Usavam muito da frontalidade.

Escultura Românica

Era ligada a arquitetura, já que era feita nas mesmas pedras da arquitetura. Ou seja, decoravam colunas e paredes com esculturas. O exagero nessas esculturas vinham por meio da esterilização e da expressividade do ser humano.

Escultura Bizantina

Assim como a românica, era ligada a arquitetura, e apresentavam colunas decoradas principalmente com arabescos (formas geométricas onduladas com semelhança com plantas). O exagero também vinha na expressividade dos humanos. Além disso, a escultura costumava ser mais geometrizada.

Arquitetura Românica

A arquitetura era focada nas igrejas, que eram grandiosas e protegidas. Como era a casa de Deus, ela deveria ser grandiosa, para honrá-lo. Enormes portões e muros as rodeavam. Além de honrar Deus, tal grandiosidade vinha da "mania" romana de criação de coisas colossais e o fator de proteção. Fizeram uma junção das colunas decorativas com os arcos e, com o uso de abóbadas. As igrejas tinham um detalhe curioso: sua planta era em formato de cruz. As construções tinham vários arcos que pareciam janelas, mas que eram fechados. Enquanto isso, as janelas eram raras e altas aberturas, sempre visando um possível ataque. Outra característica das igrejas era o exterior simples, e o interior riquíssimo. Esse contraste vinha da crença de que um ser deveria ser simples por fora, mas rico de virtudes por dentro.

Arquitetura Bizantina

A arquitetura bizantina tinha quase todas as características da românica, assim como janelas rasas, interior requintado e exterior simples, o uso de colunas, arcos, abóbadas, etc. A maior diferença vem do fato dos bizantinos começarem a usar vitrais, para decoração e muitas vezes para ilustrar histórias bíblicas. 

segunda-feira, 26 de maio de 2014

IT'S A TRAP - Arte Clássica

O período conhecido como o período da Arte Clássica é também conhecido como Greco-Romano, obviamente, pelas grandes presenças das duas potências na Arte. Foram deles que surgiram o anfiteatro, a democracia, as universidades, etc. Eles eram politeístas, e seus deuses, diferentemente dos egípcios, tinham aspectos humanos, não só a aparência, mas também sentimentos como raiva, desejo, inveja, etc.


Grécia

Procuravam manter a dignidade do ser humano, com harmonia e equilíbrio. Para a Grécia, um homem tinha que ter o equilíbrio entre corpo e alma. Ele tinha que ser "perfeito" tanto fisicamente quanto mentalmente e, assim deveriam ser retratados. Por isso, o homem da época era retratado como um atleta e, ao mesmo tempo, intelectual. O líder era um descendente de deuses. Na Arte, suas obras representavam os seus deuses, batalhas, guerras, tudo em um plano mitológico e espiritual.

Roma

Diferentemente da Grécia, Roma representava na arte os seus líderes, os seus imperadores. O motivo é simples: Roma foi um império ganho por incríveis batalhas, lideradas pelos seus imperadores. A maioria de suas construções eram prédios públicos, por causa da grande população que Roma tinha. Contribuíram com o arco e com a abóbada. Roma também tinha uma enorme mania de grandeza. Ou seja, tudo tinha que ter um tamanho colossal. Diferentemente novamente da Grécia (que usava colunas para sustentação), Roma usava as colunas para decoração e, também muitas vezes para fazer esculturas de batalhas nelas, que serviam de propaganda política e eram colocadas nas entradas das cidades.

Pintura Grega

Deve-se destacar que a pintura era a arte menos valorizada pelos gregos. As pinturas eram feitas principalmente em vasos, pois eles eram fáceis de guardar, e além disso poderiam ser passado hereditariamente, fazendo com que as pinturas não se perdessem como se perdiam caso fossem pintadas em paredes. Os temas das pinturas, assim como todas as outras artes era a mitologia e, o mundo espiritual, e todo trabalho representava um Deus. Eles tinha um padrão de pintura que consistia na pintura de figuras claras sobre um fundo escuro, criando um contraste. 

Porém, as figuras não eram naturalistas. Os gregos pensavam que já que eles representavam um mundo que não é real, não devia ser natural. Por isso, usavam uma técnica chamada de "ilusionista". Já que usavam apenas uma cor, com diferentes tons, eles usavam "ilusões", como luz, sombra, perspectiva para deixar a pintura mais atraente. Além da falta de naturalismo, havia também o fato de as figuras humanas serem geometrizadas, pelo mesmo motivo: se tratavam do mundo espiritual. Então, não há necessidade de realismo.

Pintura Romana

Usavam principalmente a técnica do afresco, que é a pintura na massa ainda fresca, utilizada principalmente em paredes. Nas paredes, os romanos costumavam pintar painéis que imitavam janelas, e continham paisagens e cenas do cotidiano, como se realmente fosse uma janela.

Ao oposto da grega, a pintura romana se preocupava com o realismo, pois mostrava o mundo real. Na pintura, eles também realizavam uma tentativa de perspectiva. Também usavam muito a arte do mosaico.

OBS: Quando se tem atualmente pinturas de três mulheres, a pintura tem um significado de tentar reviver a arte clássica.

Escultura Grega

A escultura grega representava os seus deuses como homens. E, como acreditavam que o homem era o modelo de tudo, ele era retratado em sua "plena forma", ou seja, nu. Então, se vemos uma escultura que apresenta seres musculosos e nus, podemos ter certeza que são gregas. E, como a representação era de deuses, eles eram super naturalistas e realistas e, retratavam-os sem imperfeições. A fuga da realidade nas esculturas gregas se davam ao fato dos deuses. terem uma musculatura exagerada. Mas, é importante ressaltar que se homens comuns fossem retratados em esculturas, eles teriam uma musculatura normal, sem exageros. 

As esculturas eram feitas em mármore, madeira, marfim.

Escultura Romana

Ao oposto da grega, os romanos retratavam seres com roupas. Já que representavam seus líderes e pessoas públicas, a nudez seria uma espécie de vergonha pra eles. Por isso, o nu foi proibido, apesar da adoração dos romanos sobre a arte grega. Assim como o grego apresentava equilíbrio entre corpo e mente, além de harmonia e simplicidade. As suas representações de figuras públicas eram totalmente fiéis, com apenas uma exceção. Essa exceção era a única fuga do realismo: quando a aparência de seus líderes não correspondia aos modelos romanos, elas eram alterados. Ex: Se um imperador fosse muito baixo, ele era retratado mais alto.

Foram os primeiros a usarem as esculturas em painéis, para criar narrativas de batalhas e conquistas, entre outros feitos militares.

Arquitetura Grega

A arquitetura da Grécia estava ligada em grande parte a construção de templos, para cultuar os deuses. Tais templos eram construídos em pedra sobre pedra, criando assim vários andares, com colunas para sustentá-las. Daí vem talvez o aspecto mais marcante da arquitetura grega: o uso em grande escala de colunas para sustentação. Além de colunas para sustentação, os templos tinham bases retangulares e tetos triangulares, para que o peso batesse e caísse pelos lados. Nesses tetos, costumavam ter esculturas que narravam histórias de batalhas e heróis mitológicos. Outro aspecto da arquitetura eram os teatros, que eram construídos de formas circulares e, apoiados em encostas.

Os gregos construíram três formas de colunas:
  • Dóricas, usados em construções militares. Dóricas não precisavam ser decorados, pois tinham o único intuito de sustentação;
  • Jônicas, usados em construções públicos. Apresentavam volutas nas partes superiores, com decoração para baixo;
  • Coríntias, usada em palácios. Eram as mais ornamentadas, mais esguias.
OBS: Apesar de ter sido criada pela Grécia, a coríntia foi mais usada pelos romanos.

Arquitetura Romana

A arquitetura romana se baseava na construção de edifícios públicos, para sua enorme população. Diferente do teto triangular da Grécia, a arquitetura romana tinha um teto circular, constituído principalmente das abóbadas. Talvez o maior avanço na arquitetura feito pelos romanos foram os arcos, que eram feitos para distribuir os pesos. Se os gregos usavam colunas para sustentação, os romanos as usavam apenas para decoração, exposição de esculturas e, propaganda política. As construções costumavam ser feitas por massa e pressão.

Uma das maiores contribuições romanas foi a criação dos anfiteatros, que abrigavam enormes quantidades de pessoas. Além disso, também havia grandes criações de pontes e aquedutos, estruturas que transportam água de um ponto a outro.

OBS: A arquitetura romana era colossal. Tanto anfiteatros quanto prédios públicos tinham tamanhos gigantescos.

quarta-feira, 21 de maio de 2014

IT'S A TRAP - Expansão Marítima e Comercial

 Com crises econômicas, social e políticas, e com a queda da população, os governos europeus buscavam alguma solução. Tal solução era procurar em outros lugares, recursos e conhecimentos. Foi assim que surgiu a Expansão Marítima, que vinha com a necessidade de produtos orientais, principalmente as especiarias (cravo, canela, pimenta).
  Além de conseguir novas terras e, produtos, os principais objetivos da expansão eram: encontrar uma nova rota para as Índias e, eliminar o intermediário, ou seja, quebrar o monopólio das cidades italianas (sendo as principais Gênova e Veneza).
  Tal ação foi apoiada por todas as castas sociais, que tinham como objetivos:

  • Burguesia: novas rotas comerciais, novas formas de comércio e novos produtos.
  • Clero: expansão da fé católica e novas terras
  • Nobreza: novas terras e mais capital
  • Rei: mais terras e, expansão de seu poder e de sua influência.

Portuga

  O país que apresentou pioneirismo na expansão foi Portugal. Tal pioneirismo tem diversos motivos, sendo os principais:
  • Boa posição geográfica;
  • Precoce centralização política, a Revolução de Avis. Isso foi muito importante porque apenas um estado absolutista com poder centralizado poderia possuir e render capital para investir em uma ideia tão cara quanto à Expansão Marítima;
  • Tradição náutica. Portugueses já tinham experiências náuticas, por meio da pesca do bacalhau, entre outras atividades;
  • Escola de Sagres: reuniões de marinheiros com o objetivo de trocas de informações.
  Considera-se que a burguesia comercialista tenha sido a principal "investidora" da Expansão, já que eram a maioria e, apresentavam interesses econômicos muito grandes.
  A primeira conquista de Portugal foi Ceuta. Após a conquista de Ceuta, Portugal foi conquistando várias outras regiões por meio do seu plano, o chamado Périplo Africano. O plano dizia que para chegar até as Índias, os marinheiros portugueses circundariam a África. No caminho, é claro, conquistavam alguns territórios e, abriam novas rotas comerciais, muitas vezes abrindo portos, da onde a saída de barcos e entrada de produtos eram obrigatórios. Foi também fazendo colônias que, Portugal enriqueceu mais, já que encontrou em diversos países, novas fontes de metais preciosos. O encerramento do plano de Portugal se deu em 1500, com a descoberta do Brasil por Pedro Álvares Cabral.

Espanha

  O segundo país a aderir a Expansão foi Espanha. Tal processo espanhol foi retardado por causa da Guerra da Reconquista, que só acabou em 1492, com o domínio espanhol sobre Granada, o último reino muçulmano. Foi após a devida centralização que o rei aceitou o projeto de Cristóvão Colombo. Tal projeto dizia que a terra era redonda e, que ele chegaria ao Oriente indo pelo Ocidente, fazendo assim uma volta ao mundo. No entanto, no mesmo ano, Cristóvão Colombo chegava a América, acreditando ter chegado à Ásia.

  O domínio dos dois países (Portugal e Espanha) na América ocasionou alguns desentendimentos sobre territórios. Para resolvê-los, foi assinado o Tratado de Tordesilhas, que dividia o mundo entre as duas nações ibéricas. 

França e Inglaterra

  Muito mais tardiamente, França e Inglaterra se "jogaram" ao mar para procurar uma nova rota às Índias, falhando miseravelmente. Já que ignoravam o Tratado de Tordesilhas, por achá-lo injusto, por dividir o mundo apenas pros dois países, França e Inglaterra chegaram as Américas e, colonizaram. França colonizou algumas partes do Brasil, enquanto a Inglaterra colonizava a América do Norte.

  Pelo fracasso do principal objetivo: a rota para as índias, esses países se viram realizando cada vez mais atividades envolvendo piratas e corsários, além do forte contrabando.

OBS: Piratas não representam países. Corsários sim.





João Krauss

terça-feira, 20 de maio de 2014

IT'S A TRAP - Reforma e Contra-Reforma

  O Absolutismo, a Centralização, o Renascentismo, caracterizado principalmente pelo racionalismo criou mudanças na forma do homem de pensar e, ver as coisas a seu redor. Foi por meio de um pensamento mais "humano" (se é que podemos pensar assim), que a Reforma aconteceu.
  Num contexto de críticas á Igreja, sendo elas principalmente relacionadas à venda de indulgências, venda de relíquias sagradas e simonia (venda de cargos religiosos), aconteceram várias reformas. As principais serão citadas aqui:

Reforma Luterana

  Na Alemanha, a Igreja possuia a maior parte das terras do país. O monge agostino Martinho Lutero era conhecido por escrever diversas críticas à Igreja. Mas, o ápice foi quando a Igreja aumentou cada vez mais o nível de simonia para arrecadar fundos para a construção da Basílica de São Pedro, em Roma. Lutero escreveu as 93 teses, que eram leis que diziam o que deveria ser mudado na Igreja. Por causa de tal, Lutero foi excomunhado. No entanto, ele recebeu apoio de vários príncipes alemães, que tinham como objetivo recuperar suas Terras.
  Baseado nas 93 teses, Luterano criou a Igreja Protestante, que possuia os seguintes princípios:
  • Fé como fonte de salvação; 
  • Tradução da bíblia e de cultos;
  • Livre interpretação da bíblia;
  • Fim do celibato clerical;
  • Fim da adoração de imagens
  Após a criação, o "Luteranismo" se espalhou de forma grandiosa, causando vários conflitos com os católicos, que com a livre interpretação e a tradução da bíblia, teriam menos poder sobre os fiéis (resposta de uma questão do P.E).
  No entanto, tal conflito terminou apenas em 1555, quando um acordo foi assinado. Tal acordo dizia que a nobreza tinha direito de impor sua religião a seus súditos.



Reforma Anabatista

  Criada por Thomas Munzer, um antigo luteranista, essa reforma teve como diferencial o ideal de que as riquezas e as terras deveriam ser distribuídas para os menos favorecidas, assim como a servidão deveria ser abolida. Ideias esses que tornaram essa reforma a mais "humana". 
  Thomas conseguiu muitos seguidores nas áreas rurais, entre a população menos favorecida. Para chamar a atenção da alta nobreza e do clero, os Anabatista começaram com campanhas de invasão e destruição de castelos e igrejas, causando grandes prejuízos. Por causa de tais prejuízos, a nobreza começou uma grande repressão agressiva, que matou a maioria dos Anabatistas, incluindo Thomas.
  Lutero afirmou que para manter a ordem social, a repressão foi uma medida drástica, mas necessária.

OBS: São chamados de anabatista porque eles acreditavam que o batismo só deveria ser realizado em adultos conscientes.

Reforma Calvinista

  Calvino, líder da Reforma Calvinista também era um protestante, mas que discordava de Lutero em uma coisa: Calvino acreditava na predestinação.
  Calvino acreditava que todos já nasciam predestinados, e que a salvação era apenas um reflexo disso. Ele afirmava que a riqueza era um sinal de bênção divina. Ou seja, se você trabalha e, prospera, ou até mesmo já nasce rico, é porque Deus está a seu favor (may the God be ever in your favor, hahahaha). Calvino também acreditava no lucro. E, foi exatamente por isso, que ele teve um grande apoio da Burguesia (que não podia ter lucro, já que a Igreja repreendia), que via chance de ter comércio livre.
  Por essa e por outras, a Reforma calvinista é conhecida por uma descrição: "a ética protestante e o espírito do capitalismo".



Reforma Anglicana

  A Reforma Anglicana, foi criada pelo rei Henrique VIII, que tinha o objetivo de recuperar terras e tesouros da Igreja e, cancelar o seu casamento.
  A história é a seguinte: querendo mais poder para o Estado, para que a influência Espanhola diminuísse, o rei confiscou as terras da Igreja, causando assim um desentendimento com o Papa. Tal desentendimento só se tornou pior quando Henrique VIII pediu a anulação do seu casamento com Catarina de Aragão. Quando tal pedido foi recusado, Henrique criou uma igreja, a Igreja Anglicana, onde ele poderia cancelar o casamento. Logo após, ele criou o Ato de Supremacia, que dava ao Estado o controle da Igreja. Ou seja, ele tinha o controle do Estado e da Igreja, podendo assim cancelar quantos casamentos ele quisesse (o que aconteceu). Após essa criação, ele foi capaz de cancelar seu casamento e, recuperar grande parte das terras da Igreja na Inglaterra. 
  A Igreja Anglicana possuía seus ideais quase iguais aos da Católica. As diferenças estavam na permissão do cancelamento de um casamento, a tradução da Bíblia e, a eliminação do culto à imagens e santos.


Contra-Reforma (Reação Católica)

Em resposta às diversas reformas que aconteciam por toda a Europa, o papa Paulo III decidiu reunir as autoridades religiosas no Concílio de Trento, que se reuniu por 18 anos. As principais medidas realizadas em tal concílio foram:
  • Moralização da Igreja. Alguns bispos, cardeais, etc foram expulsos de seus cargos por denúncias que afetavam sua moralidade. Após várias demissões, decidiu-se que a Igreja pararia com a venda de indulgências e, com a Simonia. Ficou definido também que para alguém trabalhar com religião, essa pessoa deveria ter uma boa reputação moral.
  • Reafirmação dos Dogmas. As ideologias tradicionais da Igreja continuaram e, ficaram mais fortes. Ex: celibato clerical.
  • O Tribunal de Santo Ofício. Também conhecido como Santa Inquisição, o Tribunal Católico era um tribunal que julgava crimes contra o catolicismo, torturava e executava infiéis.
  • Index. O Index Prohibitorum era a lista de livros proibidos para os católicos. Muitas vezes eram destruídos, outras vezes eram arquivados.
Algo que também deve ser lembrado é a Companhia de Jesus, conhecido por muitos como Exército Cristão. Foi um "exército" que foi responsável por catequizar continentes como América, Ásia e África.


João Krauss

IT'S A TRAP - Renascimento Artístico e Científico

  O Renascimento Artístico e Científico aconteceu na época de transição de feudalismo e capitalismo e, marca o início do Estado Moderno.
  A principal inspiração para tal movimento foi a cultura greco romana, sendo assim um movimento que "resgatou" a Antiguidade Clássica.
  O berço desse movimento foi a Itália (Península Ibérica) graças à sede do Vaticano, e das grandes atividades urbanas. Isso é, eram nas cidades que se apresentavam a burguesia, principal apoiadora do movimento.
  O Renascimento foi um movimento que mudou a forma de pensar do homem da época. E, aqui se apresentam suas principais características:

  • Humanismo. Isso é, a valorização do homem. O humanismo é caracterizado por aqueles que buscam analisar problemas sociais de forma crítica, usando a racionalidade e a individualidade.
  • Antropocentrismo. Na Idade Média, a sociedade era uma sociedade controlada pela Igreja e, por isso, era Teocentrista. Como o principal motivador do movimento é a crítica contra a Igreja, surgiu um questionamento sobre essa ideologia teocentrista. Então, começou-se a estabelecer que quem estava no centro de tudo era o homem, pois ele poderia modificar a natureza para colocá-la em seu favor.
  • Racionalismo. Obviamente, é o uso da razão e do senso crítico na análise de situações sociais e acontecimentos. Está estreitamente relacionada à ciência.
  • Hedonismo. Isso é, a busca pelo prazer e a valorização das sensações humanas. Desde que com moderação.
  • Individualismo. Esse tópico é muito confundido. Individualismo não significa algo como "cada um por si". Individualismo significa, por exemplo, uma interpretação da bíblia, defendendo que ela possa "tocar" cada um de formas diferentes.
  O Renascimento é um movimento conhecido como artístico e científico. E, aqui se apresenta os maiores avanços e mudanças nessas duas áreas:
  • Ciência: foi nessa época, que com a ajuda do racionalismo, houve um enorme desenvolvimento científico. Cada vez mais eram feitos estudos para provar coisas do universo. Foi aí também que se desenvolveu os experimentos como forma de verdade.
  • Arte: com o humanismo e antropocentrismo, os temas e as formas de arte mudaram. Como o humano era o centro de tudo, ele deveria ser representando em sua real forma, ou seja, nu. Por causa disso, cientistas e artistas tiveram enormes avanços no campo da anatomia. Já que eles tinham que representar o ser humano perfeitamente, era necessário saber todas suas propriedades. OBS: Foi no renascentismo que se popularizou a pintura a óleo.
  Existem também 4 meios que são conhecidos como os meios pelos quais o Renascimento foi propagado. São eles:
  • Mecenato: Buscando maior liberdade não só comercial, mas social, a burguesia começou a apoiar as ideias renascentistas. Foi assim, que foi criado o mecenato. Os mecenas são burgueses artistas que pro meio da arte, disseminavam as ideias renascentistas.
  • Imprensa: Criada por Gutemberg, a imprensa foi bastante importante para o Renascentismo. Primeiramente, as notícias se espalhavam mais rápido: um número maior de pessoas tinha acesso a um número maior de conhecimento e informação em um espaço de tempo menor. Além disso, a Igreja não era mais capaz de realizar a censura.
  • Eruditos de Constantinopla: Foram intelectuais que fugiram da Turquia e buscaram abrigo na Península Ibérica. Entrando em contato com um novo povo, os europeus podiam abrir horizontes pra outros conhecimentos, outras cultuas.
  • Expansão Marítima: Assim como o item anterior, por meio da Expansão Marítima, os europeus entravam em contato com outros povos, tendo assim mais conhecimento e informação.


Gutemberg

João Krauss

sábado, 3 de maio de 2014

Primeiro Post Educacional (IT'S A TRAP) - Alester Crowley, Exterminador e Terra

Primeiramente, gostaria de mandar um abraço pro eu do futuro, que vai estar lendo isso não sei quando. Espero que eu tenha tirado nota boa na prova de Biologia, e espero que você lembre o que esse código significa (provavelmente não).

E, também gostaria de falar que finalmente tive coragem pra fazer isso aqui... Ideia que já tenho há um bom tempo! Aqui falarei sobre meus aprendizados no dia-a-dia... Coisas sobre a escola, sobre o que aprendi durante os estudos pra provas. Enfim, coisas que podem ser úteis ou  completamente inúteis no futuro.

OBS: Os textos poderão ser apenas sobre aquele dia, ou sobre algumas coisas que lembro ou etc. Como por exemplo, esse daqui.

Hoje, no dia 03/05/2014, não aconteceu muita coisa. Hoje, vi o episódio 21 de Agents of S.H.I.E.L.D... Muito legal, inclusive. Também fiz um Top 30 de filmes de super-heróis, depois de uma longa análise. Essa ideia nasceu de uma conversa que tive hoje com o meu professor de Geografia.

Hoje não aprendi nada... A única atividade de estudo que tive até agora foi praticar o texto do Book Report pro curso, além do surgimento de alguns problemas sobre o mesmo assunto... Descobri só que enrolações nesses textos podem ser uma grande estratégia para cumprir a quantidade de minutos necessária. Mas, por hoje foi só.

Mas, porém, contudo, todavia, no entanto, esse final de semana tive algumas oportunidades de aprendizado. Nada sobre a escola, apenas coisas extras:

Fiz mais uma vez, uma pesquisa sobre Alester Crowley e, pude descobrir como, e o que significa o Livro da Lei, assunto que voltou a nascer na minha mente por recentes discussões com amigos. O livro foi escrito pelo Crowley, contando com 220 vescículos... O livro todo defendia duas frases, sendo uma conhecida por mim pela música Sociedade Alternativa de Raul Seixas. A referida é: "Faze o que tu queres será o todo da Lei". Segundo Crowley, vários espíritos estavam tomando conta de sua mulher, que passava informações sobre coisas que ela nunca soube. Então, após vários acontecimentos do tipo, ele recebeu uma entidade chamada de Aiwass. A partir de então, ele passava uma hora por dia, retirado, a escrever o livro. Crowley também dizia que a presença da entidade era diferente dependendo do dia... Tinha vezes que ele só sentia, outras ele poderia perceber uma certa aparência. Sinistro, né? Talvez o mais contraditório sobre o livro é que nada do que está escrito nele é considerado satânico e, apoia apenas uma filosofia de liberdade. Há contradição também no que se diz respeito à voz do tal Aiwass... Muitos dizem que a voz poderia ser uma parte do subconsciente de Crowley... Pra não dizer que não aprendi nada hoje: pra dar uma relembrada no assunto e escrever aqui, acabei pesquisando sobre o Liber Oz, conhecido também como Livro 77, que é uma única página escrita por Crowley, que dizia as "regras" da liberdade do homem. Dizia metaforicamente que o homem tinha o direito de matar quem se opunha àquela regra. Mas, essa parte de matar, defendem alguns, é algo interno, algo como ignorar a pessoa que se opunha. Aí vai da interpretação de cada um... Dá uma olhada na foto da página! 

Depois de ficar louco, confuso e um pouco amedrontado, fui pesquisar sobre algo que tinha discutido com outro amigo no mesmo dia... Fui pesquisar sobre a origem do Exterminador. E, acabei lendo várias histórias dele. Primeiramente, aprendi como ele perdeu o olho: uma vez, alguém sequestrou o filho dele, em troca de informações sobre um contratante dele. Isso, no entanto, ia de desacordo com seu código. Então, ele simplesmente foi lá e matou geral, mas não conseguiu impedir que um dos bandidos cortasse as cordas vocais do filho dele. Chegando em casa, a mulher dele (que não sabia que ele era mercenário) pegou uma arma e atirou nele. A bala acertou o olho direito dele... E, tarâ! Assim sabemos porque ele não tem olho!! Li também sobre algumas vezes que ele ajudou os Titãs... E, sobre seus filhos, que seguiram seus passos. Sendo que um deles, foi possuído por uma força e, foi sequestrando os titãs. Mas, o Exterminador foi lá e matou ele. Só que, depois, descobriu-se que ele passou a consciência pro Exterminador e, o obrigou a fazer várias coisas doidas. Só que aí, de algum modo, ele conseguiu voltar pro corpo dele (eu acho). 

Li também algumas coisinhas sobre o Capitão América, sobre a origem dele... Mas, nada demais...! Ah, acabei de lembrar: li também sobre a Terra. E, lendo, descobri como a série dos Jovens Titãs era fiel. Nos quadrinhos, aconteceu exatamente como na série: Terra era uma espiã de Slade, que acabou se suicidando (resumidamente, é claro).

Também no final de semana, vi O Espetacular Homem-Aranha 2, que é um bom filme. E, fiquei muito empolgado com a cena de X-Men Dias de um futuro Esquecido, que passou após os créditos. Foi simplesmente demais! As participações de Groxo, Mística, Destrutor e até mesmo do William Stryker. Mas, também percebi que o filme parece estar muito corrido. A cena foi muito rápida, de modo que eu não tenha a entendido muito bem.

Ahhh! Hoje eu ouvi o Nerdcast sobre Deep Web, que na verdade, não tem muita coisa sobre a Deep Web. Fiquei ainda mais confuso sobre o que é Bitcoin, mas me diverti bastante e, deu pra dar muita risada ;D