quinta-feira, 14 de agosto de 2014

3 Filmes - Helena Bonham Carter

O quinto 3 Filmes também é o primeiro 3 filmes feito com uma atriz. Essa atriz é a minha atriz favorita, que foi indicada a 2 Oscar, 7 Globos de Ouro e 3 Emmys! Essa atriz é Helena Bonham Carter.

Assim como no caso de Alan Rickman, comecei a gostar do trabalho dela por sua participação na franquia Harry Potter, onde ela interpreta a vilã Bellatrix Lestrange. Outros filmes que vi com ela são: Burton e Taylor, O Cavaleiro Solitário, Os Miseráveis, Sombras da Noite, O Discurso do Rei, Alice no País das Maravilhas, Sweeney Todd - O Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet, A Noiva Cadáver e Peixe Grande. A atriz tinha uma boa quantidade de filmes que eu poderia ver, e acabei escolhendo três de características diferentes. Vamos a eles:


1- Frankenstein de Mary Shelley (Frankenstein) - 1994

Uma representação fiel do livro homônimo (pelo menos, do que me lembro), esse filme, dirigido por Kenneth Branagh é simplesmente espetacular. Considero-o uma obra-prima! Contando principalmente com ótimas atuações de Helena Bonham Carter, Robert DeNiro e Kenneth Branagh, o filme também apresenta uma maquiagem espetacular, indicada ao Oscar. Maquiagem essa que fez com que a criatura interpretada por DeNiro se tornasse o melhor personagem. Apesar de ser um ser cruel, existe uma grande simpatia com o personagem e, em certos momentos, até pena. O personagem é espetacular, e sua relação ambígua com seu criador e, também amaldiçoador é um dos pontos fortes do filme.

Apesar de ter um começo meio monótono, o filme tem cenas espetaculares, como o nascimento da criatura, o momento em que tal criatura ajuda uma família e o final, que além de emocionante, é espetacular e muito bem feito! 

Como já disse antes, vemos aqui uma boa atuação de Helena Bonham Carter, que apesar de ser uma coadjuvante, é uma das grandes motivadoras e movimentadoras da trama. Ela interpreta Elizabeth, a irmã adotiva e interesse amoroso de Frankenstein, que pouco depois de seu casamento, ela é alvo da vingança da criatura, que a mata. Mas, esse não é o fim da personagem. O já fora de si Frankenstein então, decide reviver sua noiva, pelo mesmo processo que ele usou na criatura. E, a cena é espetacular. A atuação de Kenneth Branagh na cena do renascimento é incrível, assim como a de Helena Bonham Carter, quando essa se transforma em uma criatura também. E, nessa cena que vemos que tudo que a criatura queria era alguém para amar. E é na indecisão de com quem ficar, que a monstruosa Elizabeth põe fogo em si mesma, fazendo com que Helena Bonham Carter morra duas vezes em um único filme. E, digo que apesar de pequena, a cena da Elizabeth revivida é simplesmente espetacular, graças à maquiagem e às atuações.

Nota: 9,3

2- Clube da Luta (Fight Club) - 1999

Um filme espetacular e já um clássico do cinema, Clube da Luta é um filme espetacular e que merece ser visto por todos. Possui uma trama interessantíssima, que provoca reflexões sobre a vida e de como agir com ela. E, além do ótimo desenvolvimento e decorrer do filme, possui um final simplesmente genial, que pode ser previsto, ainda mais se você souber da existência de um plot twist (eu sabia que no final tinha algo surpreendente, mas não sabia o que era. Talvez por isso eu consegui prever). Então, se você ainda não viu e pretende ver, fuja de qualquer spoiler, que apesar de ser um filme antigo, vale a pena ser visto sem conhecimento total da trama. Além disso, as ótimas atuações do trio principal (Edward Norton, Brad Pitt e Helena Bonham Carter) são um show a parte!

Gosto muito do decorrer do filme, que conta com ótimas cenas, não só incluindo o clube da luta em si, mas o desenvolvimento dos três personagens principais, suas relações conturbadas e sua amizade contraditória. Toda a psicologia e loucura do filme são incríveis. Destaque para a cena onde o personagem de Edward Norton se bate para chantagear o chefe. Realmente incrível, como tantas outras.

Esse é, talvez junto com o de Harry Potter, o papel mais conhecido de Helena Bonham Carter, que interpreta Marla Singer. A personagem é bem interessante, apesar de eu achar que deveria ser mais desenvolvida. Toda sua depressão e vontade de morrer não fazem muito sentido. Mas, esse argumento pode ser rebatido se for pensar que isso é pra manter um certo mistério na personagem, que aparece primeiramente de uma forma realmente "misteriosa". A relação dela com os dois personagens é muito interessante, e ela possui cenas muito divertidas, principalmente por causa da atuação eufórica e excelente de HBC. 

Nota: 9,5

3- Uma Viagem Extraordinária (The Young and Prodigious T.S. Spivet) - 2013


Esse filme é muito diferente dos outros dois, com uma temática realmente diferente. Um filme de drama e aventura, que apresenta uma história muito leve e mesmo assim, muito interessante. Dirigido pelo diretor de O Fabuloso Destino de Amélie Poulain, o filme possui uma fotografia espetacular, que favorece as paisagens rurais, fazendo tudo ficar muito mais belo e chamativo. Toda a jornada do garoto é muito interessante, quando ele passa por algumas situações e conhece pessoas novas. Por exemplo, o personagem "Two Clouds" que aparece por menos de 10 minutos, mas que é um personagem fascinante. Além disso, o garoto principal consegue segurar o filme, demonstrando uma atuação surpreendente, já que não são muito os talentos infantis no cinema hoje em dia (na minha opinião, é claro). Também contamos com ótimas atuações de Judy Davis e Helena Bonham Carter.

Apesar de todos os elogios, eu não consigo "engolir" que um garoto de 10 anos tenha a inteligência que esse garoto tem. Acho muito exagerado. Ele possui um conhecimento vasto sobre física, e possui uma ótima argumentação. Volto a dizer que acho muito exagerado. Além disso, o filme possui algumas cenas muito exageradas e teatrais. Mas, apesar dessa reflexão sobre a inteligência do garoto, o filme é muito interessante.

A personagem de Helena Bonham Carter, apesar de não possuir um bom desenvolvimento, é o meu personagem favorito no filme. A família do garoto, em geral, não é muito bem desenvolvida. Temos a mãe pesquisadora, o pai cowboy, a irmã que quer sair da zona rural (algo bem clichê). Muitas vezes a relação das garotas com os pais parece ser conturbada, criando algumas cenas exageradas, que não são explicadas e que são esquecidas. Todo o trabalho em cima da família vai pela morte do irmão gêmeo do personagem principal, que acaba "traumatizando" as pessoas. No entanto, apesar de ser um bom motivo para a falha de uma estrutura familiar, essa falha não é muito bem desenvolvida. Mesmo assim, graças a atuação espetacular de HBC, dá pra se simpatizar com a família. A parte final do filme é, apesar de teatral, simplesmente espetacular. Tem aquele sentimento clichê de superação, mas, é realmente muito bom.

Nota: 9,0

0 comentários:

Postar um comentário